Os Irmãos Grimm

Gênero: Aventura.
Atores: Matt Damon, Heath Ledger, Mackenzie Crook, Richard Ridings, Peter Stormare, Julian Bleach, Bruce MacEwen, Jonathan Pryce, Denisa Vokurkova, Martin Sventlik, Jan Unger, Laura Greenwood, Lena Headey e Monica Bellucci.
Diretor: Terry Gilliam.
Idiomas: Português e Inglês.
Legendas: Português e Inglês.
Ano de produção: 2005.
País de produção: EUA/Inglaterra.
Duração: 118 min.
Distribuição: Europa Filmes.
Região: 4.
Áudio: Dolby Digital 5.1 e 2.0.
Vídeo: Widescreen Anamórfico.
Cor: Colorido.
Censura: 14 anos.

Will (Matt Damon) e Jake Grimm (Heath Ledger) são dois irmãos alemães, lendários escritores de contos de fadas, que viajam através da Europa de Napoleão enfrentando monstros e demônios imaginários em troca de dinheiro rápido. Seus serviços incluem de caça a bruxas a exorcismos de demônios, sempre auxiliados por engenhocas ilusionistas que dão todo o crédito a seus feitos. Porém, quando as autoridades francesas descobrem suas falcatruas, os dois são obrigados a enfrentar uma maldição real numa floresta encantada, em Marbaden. Lá, jovens donzelas têm desaparecido sob circunstâncias misteriosas, e caberá a eles solucionar este problema que o general Delatombe (Jonathan Pryce) está certo de ser obra de picaretas como os irmãos Grimm mas que o povo acredita ser obra de reais espíritos malignos da floresta.

O filme é uma produção belíssima do diretor Terry Gilliam, que resgata ficcionalmente o trabalho dos Irmãos Grimm através das histórias que estes resgataram para o mundo. O que se tem não é uma história real e sim uma história ficcional, formada por uma espécie de colcha de retalhos a partir do mundo de contos deixados pelos Grimm. A criatividade e inovação, aliadas à ousadia da proposta narrativa, é algo inesperado, já que se trata muito mais de uma homenagem do que uma biografia propriamente dita. O verdadeiro Jakob Ludwig Karl Grimm nasceu em 4 de janeiro de 1785, e seu irmão Wilhelm Karl Grimm em 24 de fevereiro de 1786, ambos na cidade de Hanau, próximo a Frankfurt. Durante sua vida dedicaram-se a pesquisar a tradição oral do povo germânico, num trabalho árduo de coleta e registro das lendas ancestrais de seu país. São antigas narrativas, lendas germânicas, marcadas pela fantasia, pelo fantástico e pelo mítico, resgatando temas comuns da época medieval. São eles os responsáveis pelo registro da maioria dos contos de fada clássicos conhecidos atualmente. Sua principal contribuição foi fundir o universo popular ao infantil, público para o qual foram direcionadas as histórias resgatadas por eles. O material coletado em suas pesquisas foi a base para os contos que os imortalizaram, como Chapeuzinho Vermelho, João e Maria, Branca de Neve, Cinderela, Rapunzel, João e o pé de feijão, entre tantas outras. No filme há uma série de referências intertextuais que aparecem mais ou menos explicitamente, durante praticamente todo o tempo do filme, como as crianças e suas capas vermelhas, as sementes que são espalhadas no chão para que não se percam, os espelhos mágicos, um castelo apenas com janelas, os sapatos de cristal e outras tantas referências diretas a seus contos. A história peca por não trazer uma biografia fiel dos Grimm, já que se limita a poucas referências reais como quase que apenas o fato de serem irmãos e escritores. Mas é essa a intenção, criar um mundo de fadas a partir do mundo deixado por eles. Desperta-se um gostinho de quero mais, que remete à busca por realizar leituras que apresentem estas referências intertextuais em seu contexto original. Sua fotografia é belíssima, remetendo a tonalidades barrocas pelo jogo de luzes e sombras e que intensificam ainda mais o clima de suspense e mistério, típico das histórias e contos de fada. Wilhelm faleceu em 1858 e Jakob, em 1863, porém o filme comprova que as histórias que resgataram e registraram durante sua vida ainda perduram no imaginário infantil e adulto.